#003 InfoEnergia: informação para levar energia ao seu negócio

 

Acompanhe a terceira edição do Boletim InfoEnergia e fique por dentro dos conteúdos sobre o Mercado Livre de Energia elaborados pela nossa equipe de inteligência.

SUMÁRIO

 

Destaques do Mês

PLD (Preço no Mercado de Curto Prazo)

Geração Mensal de Energia

Energia Natural Afluente (ENA)

Indicadores Econômicos 

Energia Armazenada

 

Destaques do Mês

Portabilidade da Conta de Energia

Em 4 de julho, foi apresentado na câmara dos deputados um relatório (PL 1917/15) substitutivo que instituiu a PL da Portabilidade: o relatório propõe alterar o prazo de abertura do Mercado Livre para 2028, de forma que os consumidores residenciais e pequenos comerciantes possam ter acesso ao Mercado Livre de Energia, com condições livremente negociadas. Originalmente, a proposta previa a abertura do Mercado Livre para os pequenos consumidores a partir de 2022 e a prorrogação visa permitir às distribuidoras adequarem suas obrigações contratuais e regulatórias ao novo ambiente de negociação.

Novos Patamares de Carga

A CCEE, o MME, a ANEEL, a EPE e o ONS realizaram, no dia 12/07/18, uma reunião presencial sobre a redefinição dos patamares de carga, junto a representantes do Cepel e agentes. O tema consta na Consulta Pública em andamento e o encontro teve como objetivo apresentar ao mercado as propostas desenvolvidas pelo Grupo de Trabalho de Metodologia da CPAMP (Comissão Permanente para Análise de Metodologias e Programas Computacionais do Setor Elétrico).

Geração Solar Distribuída

A ENGIE concluiu a compra de 50% das ações ainda não detidas da ENGIE Geração Solar Distribuída (EGSD), conforme informado em comunicado ao mercado em 4 de julho, já aprovado pela CADE, aguardando closing financeiro. A operação reforça o interesse e comprometimento da Companhia no contexto da transição energética. A ENGIE deve passar a apostar também em fazendas solares, que poderão vender a produção diretamente aos clientes em pequenos lotes, de maneira pulverizada.

Inflação e Selic

Segundo a pesquisa semanal do Boletim Focus do BC para a segunda semana de julho, a mediana das projeções dos economistas do mercado para a inflação oficial em 2018 recuou de 4,17% para 4,15%, sendo o primeiro corte depois de oito semanas seguidas de altas. Já as medianas das estimativas para a taxa básica de juros permaneceram em 6,50% para o fim deste ano.

PLD (Preço no Mercado de Curto Prazo)

Da quinta semana de junho até a primeira semana de julho o Preço de Liquidação das Diferenças (PLD) se manteve no valor máximo regulatório em todos os patamares de carga (leve, média e pesada) e em todos os subsistemas do SIN, influenciado principalmente pela queda na revisão das expectativas de afluência.

Em uma visão de longo prazo, apesar da redução de consumo observada em 2016 e o baixo crescimento em 2017, as condições hidrológicas adversas do segundo semestre de 2016 até o primeiro semestre de 2018 deixaram os reservatórios em níveis baixos novamente.

 

Fonte: CCEE

O PLD é calculado de acordo com o Custo Marginal da Operação (CMO), limitado aos valores máximos e mínimos definidos pela ANEEL.

O gráfico abaixo compara as séries históricas do PLD e do CMO nos últimos 12 meses, podendo-se observar os momentos em que o CMO é mais alto do que o PLD máximo, sendo esta diferença convertida em encargos, como tem acontecido nas últimas quatro semanas.

 

Fonte: CCEE e ONS

Geração Mensal de Energia

A principal fonte de energia no Brasil são as hidrelétricas, seguidas pelas termelétricas e eólicas. No gráfico abaixo está apresentada a série histórica da geração desde o ano de 2016. Pode-se notar a variação no consumo de energia no Brasil, indicado pelo total de geração. Da mesma forma, os períodos de seca, de abril a outubro, onde a geração das hidrelétricas reduziu apesar da pouca variação na geração total, indicando maior uso das térmicas. Este também é o período em que as eólicas costumam ter maior participação na geração total necessária para o sistema, pois é o período de maior intensidade dos ventos.

 

 

Energia Natural Afluente (ENA)

O custo da operação do sistema brasileiro é resultado de previsões de vazão mensal, ou Energia Natural Afluente (ENA), revisada semanalmente pelo ONS. Em uma visão geral, é possível verificar que a ENA esperada no SIN foi revisada de forma a aumentar a previsão de junho/2018 a março/2019. O período de março/2019 a julho/2019 apresentou quedas nas revisões.

Fonte: CCEE

Indicadores Econômicos

Nos gráficos abaixo pode-se observar a expectativa dos indicadores econômicos IPCA, IGP-M, crescimento do PIB e produção industrial para o final de 2018 e 2019.

Nota-se que a expectativa do IPCA para o final de 2018 vinha aumentando ao longo das semanas, tendo se mantido estável nas duas primeiras semanas de julho em 4,15%, enquanto ao final de 2019 espera-se um IPCA de 4,10%.

De forma semelhante, o IGP-M vinha em crescente expectativa de alta para final de 2018, chegando a 7,70% na segunda semana de julho, enquanto o valor do índice para final de 2019 está estável em 4,47%.

Já o indicador de expectativa de Crescimento do PIB ao final de 2018 permanece em queda desde o final de maio, saindo de 2,89% para atuais 1,50%. O mesmo observa-se para o final de 2019, atualmente em 2,50%.

A expectativa de Produção Industrial ao final de 2018, que já foi 4,29% em abril, caiu para 2,96%, enquanto para final de 2019 espera-se 3,00%.

Fonte: Boletim Focus do Banco Central do Brasil

Energia Armazenada

Em relação à energia armazenada do sistema, o gráfico mostra que em 2017 a diferença entre a energia armazenada (linha azul) e a média histórica (linha preta) foi considerável. Durante o início de 2018 (linha vermelha), a diferença da energia armazenada do SIN, comparada aos níveis históricos, se manteve significante, influenciada pelo atual baixo nível dos reservatórios.

É esperado que até o final de 2018 os níveis de armazenamento fiquem maiores do que o realizado em 2017, ainda que permaneçam abaixo dos níveis históricos.

(1) Fonte: InfoPLD da CCEE.

As análises aqui apresentadas têm a finalidade única de informação e não devem ser tomadas como uma recomendação, oferta, aconselhamento ou solicitação de compra ou venda de energia. A ENGIE não se responsabiliza pela utilização destas informações, nem tampouco pela sua exatidão, precisão ou completude. A decisão de compra ou venda de energia é de sua exclusiva responsabilidade e não deverá se basear no conteúdo deste Boletim InfoEnergia.
Gostou? Compartilhe!
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on LinkedInRSS

Comentários

  1. Paulo Olívio Ribas


    Muito boa síntese. Parabéns

    • Engie


      Obrigada pelo retorno, Paulo! E que bom que você gostou do nosso conteúdo, continue nos acompanhando! A Equipe ENGIE agradece!

  2. Rodrigo P M F Maia


    Parabéns pelo Informativo! Excelente conteúdo, claro, suscinto, abrangente e objetivo!

    • Engie


      Obrigada, Rodrigo! Esperamos que continue acompanhando nossos conteúdos e nos dando seus feedback! Ele é muito importante! A Equipe ENGIE agradece!

  3. Rodrigo Sabino


    Gostei das informações apresentadas sobre o mercado de energia! Bacana Fábio.

    • Engie


      Obrigada pelo feedback, Rodrigo! Continue acompanhando nossos conteúdos!
      Abs,
      Equipe ENGIE.

Escreva um comentário