#005 InfoEnergia: informação para levar energia ao seu negócio

Acompanhe a quinta edição do Boletim InfoEnergia e fique por dentro dos conteúdos sobre o Mercado Livre de Energia elaborados pela nossa equipe de inteligência.

SUMÁRIO

Destaques do Mês

PLD (Preço no Mercado de Curto Prazo)

Indicadores Econômicos

Energia Armazenada

Energia Natural Afluente (ENA)

Geração Mensal de Energia

Destaques do Mês

Mercado Livre de Energia em expansão

Atualmente o Ambiente de Contratação Livre (ACL) representa aproximadamente 31% do consumo de energia do Sistema Interligado Nacional (SIN), totalizando 5.544 consumidores registrados na Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE), sendo 4.669 clientes especiais, ou seja, com demanda contratada maior ou igual a 500 kW, e 875 clientes livres, aqueles com demanda contratada maior ou igual a 3.000 kW.

De acordo com a CCEE, o ACL contabilizou 726 novos consumidores nos últimos 12 meses e somente no mês de julho foram 60 adesões. Ainda há mais de 303 pedidos de adesão em aberto, demonstrando o crescimento contínuo do ambiente.

Setores de bebidas, comércio e veículos têm aumento no consumo de energia

Conforme publicado pela CCEE, o mês de agosto apresentou aumento de 1,3% no consumo de energia elétrica do país, quando comparado com o mesmo período de 2017. Considerando a migração de novas cargas, o ACL apresentou aumento de 4,0% no consumo. Nessa análise, o segmento que apresentou maior elevação foi o de bebidas, com 15,1%, seguido de comércio (10,5%) e veículos (7,3%). Entretanto, quando utilizada a mesma base de cargas nos dois meses, os mesmos setores apresentaram desempenho bem distinto: aumento de 0,9% para bebidas, queda de 5,0% para comércio e alta de 4,8% para veículos.

Baixo nível dos reservatórios leva ao acionamento de usinas térmicas mais caras

Em 31 de agosto o Comitê de Monitoramento do Setor Elétrico (CMSE) autorizou o acionamento de usinas termelétricas mais caras no SIN, fora da ordem de mérito. A decisão foi tomada em uma reunião extraordinária solicitada pelo Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS), sem aviso prévio, devido ao baixo nível de volume de água nos reservatórios, causado pela forte estiagem dos últimos anos e pela atual época de seca. O agravamento da situação se deu principalmente na principal bacia hidrográfica dos rios Grande e Paranaíba, além da manutenção de navegabilidade na Hidrovia Tietê-Paraná. No dia 12 de setembro uma nova reunião decidiu por manter o acionamento dessas térmicas na semana operativa de 15 a 21 de setembro.

Vendas no varejo apresentam alta de 2,3% no acumulado em 2018

De acordo com a Pesquisa Mensal de Comércio divulgada pelo IBGE, o volume de vendas no comércio varejista recuou 0,5% em julho em comparação ao mês anterior, na série com ajuste sazonal. Em comparação ao mês de julho de 2017, o volume teve queda de 1,0%. Já no acumulado do ano 2018, as vendas no varejo apresentam alta de 2,3%, enquanto no acumulado dos últimos 12 meses até julho indicam alta de 3,2%. No varejo ampliado, o volume teve queda de 0,4% em julho, após ter apresentado alta de 2,5% em junho.

ENGIE Brasil Energia comemora 20 anos como a maior geradora privada do Brasil

Em setembro a ENGIE Brasil Energia chega aos 20 anos de atividade, mantendo a posição de maior geradora privada de energia elétrica do país, e se expande para os segmentos de transmissão e serviços.

Tecnologia e sustentabilidade: duas das receitas da ENGIE Brasil Energia para o crescimento

Um dos destaques da sede da ENGIE Brasil Energia em Florianópolis é o COG, o Centro de Operação da Geração, de onde são operadas remotamente nove usinas de diversas regiões do país, por meio de um sistema totalmente digitalizado. Ela permite uma maior segurança e a confiabilidade das operações, ao possibilitar o acesso dos técnicos às informações em tempo real. Além disso, até o final de 2018 a capital catarinense receberá o ENGIE LAB Brasil, um centro de pesquisas e inovação nas áreas de energia eólica e solar, cidades inteligentes, biogás e hidrogênio.
O diretor-presidente da ENGIE Brasil Energia, Eduardo Sattamini, enfatiza a preocupação em criar parcerias com as comunidades no entorno dos empreendimentos, contribuindo assim para a melhoria da qualidade de vida. Um exemplo é o Parque Estadual Fritz Plaumann, localizado em Concórdia, no oeste catarinense. A unidade de conservação foi criada em 2003 como medida de compensação ambiental pela construção da Usina Hidrelétrica Itá, operada em consórcio com participação da ENGIE.
Outra iniciativa bem-sucedida de sustentabilidade é o Parque Ambiental Encantos do Sul, no município de Capivari de Baixo, próximo ao Complexo Termelétrico Jorge Lacerda. Inaugurado em 2013 numa área de 35 hectares que antes servia de depósito para rejeitos de carvão, o Parque se tornou referência em educação ambiental, cultura, lazer e entretenimento para os mais de 350 mil habitantes que vivem nos 18 municípios do entorno. Ele é administrado pela Associação Jorge Lacerda com apoio da ENGIE Brasil Energia, por meio da Lei de Incentivo à Cultura.

PLD (Preço no Mercado de Curto Prazo)

Da primeira semana à segunda semana de agosto de 2018, o Preço de Liquidação das Diferenças (PLD) apresentou elevação em todos os patamares de carga e submercados do SIN, influenciado pelas baixas expectativas de afluência, exceto para o submercado Norte no patamar de carga leve, que reduziu 0,7%.
Em uma visão de longo prazo, apesar da redução de consumo observada em 2016 e o baixo crescimento em 2017, as condições hidrológicas adversas do segundo semestre de 2016 até o primeiro semestre de 2018 deixaram os reservatórios em níveis baixos novamente.

Fonte: CCEE

O PLD é calculado de acordo com o Custo Marginal da Operação (CMO), limitado aos valores máximos e mínimos definidos pela ANEEL.
O gráfico abaixo compara as séries históricas do PLD e do CMO nos últimos 12 meses, podendo-se observar os momentos em que o CMO é mais alto do que o PLD máximo, sendo esta diferença convertida em encargos, como o ocorrido no mês de agosto. Já nas duas primeiras semanas de setembro o CMO esteve em queda, ficando abaixo do PLD. Com o acionamento de térmicas mais caras novamente, o CMO tende a ser mais alto nas próximas semanas.

Fonte: CCEE e ONS



Indicadores Econômicos

Nos gráficos abaixo observa-se a expectativa dos indicadores econômicos IPCA, IGP-M, Crescimento do PIB e Produção Industrial para o final de 2018 e 2019, de acordo com os dados divulgados pelo Banco Central.

A expectativa do IPCA para o final de 2018 apresentou uma elevação nas três últimas semanas de agosto, chegando a 4,17%, no entanto, na primeira semana de setembro teve uma redução para 4,05%. Para final de 2019, a expectativa é de 4,11%.

Já a expectativa do IGP-M permanece em alta para final de 2018, chegando a 8,25% na primeira semana de setembro, enquanto que o valor do índice para final de 2019 permanece em 4,49%.

O indicador de expectativa de Crescimento do PIB apresentou redução nas duas últimas semanas de agosto e na primeira de setembro chegou a 1,40%. Para o final de 2019, permanece estável há dez semanas em 2,50%.

A expectativa de Produção Industrial ao final de 2018 teve uma redução de 0,53 pp, assim chegando a 2,26%, quando comparado à primeira semana de agosto. Também em queda, para final de 2019 a expectativa passou para 2,82%.

Fonte: Boletim Focus do Banco Central do Brasil



Energia Armazenada

Em relação à energia armazenada do sistema, o gráfico mostra que durante 2017 a diferença entre energia armazenada (linha azul) e a média histórica (linha preta) foi considerável. Em 2018, a diferença entre o nível de energia armazenada do SIN (linha vermelha) e níveis históricos é projetada para permanecer significante, influenciada pelos baixos níveis nos reservatórios. Nota-se também que a expectativa para os níveis de armazenamento ao final de 2018 é aproximadamente o realizado no final de 2017.

Fonte: InfoPLD da CCEE.



Energia Natural Afluente (ENA)

O custo da operação do sistema brasileiro é resultado de previsões de vazão mensal, ou Energia Natural Afluente (ENA), revisada semanalmente pelo ONS.

Em uma visão geral é possível verificar que a média de previsão de setembro de 2018 para a afluência esperada no SIN aumentou na última semana. Numa visão de longo prazo, verifica-se que a ENA no SIN teve uma elevação em todos os meses, exceto os meses de abril a maio, que apresentaram os mesmos valores da previsão ocorrida em agosto de 2018.

 



Geração Mensal de Energia

A principal fonte de energia no Brasil são as hidrelétricas, seguidas pelas termelétricas e eólicas. No gráfico abaixo está apresentada a série histórica da geração desde o ano de 2016, onde nota-se a variação no consumo de energia no Brasil, indicado pelo total de geração.
Nota-se que a geração de energia hidrelétrica continua baixa em comparação a outros períodos, sendo as termelétricas fortemente utilizadas, tendo como consequência o alto CMO e PLD.

Fonte: CCEE


As análises aqui apresentadas têm a finalidade única de informação e não devem ser tomadas como uma recomendação, oferta, aconselhamento ou solicitação de compra ou venda de energia. A ENGIE não se responsabiliza pela utilização destas informações, nem tampouco pela sua exatidão, precisão ou completude. A decisão de compra ou venda de energia é de sua exclusiva responsabilidade e não deverá se basear no conteúdo deste Boletim InfoEnergia.

Gostou? Compartilhe!
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on LinkedInRSS

Be the first to write a comment.

Escreva um comentário