#017 ENGIE NEWS: energia eólica alcança novo recorde de geração

No submercado Nordeste (NE), geração eólica atinge novo recorde de geração instantânea diária na segunda-feira (23 de setembro), produzindo, no pico, 9.749 MW às 22:57, com fator de capacidade de 83%. O volume de energia chegou a responder pelo atendimento de 89% da carga da região no dia.

Confira este e outros conteúdos relevantes elaborados pela nossa equipe de inteligência!

SUMÁRIO

Destaques do Mês

PLD (Preço no Mercado de Curto Prazo)

Energia Natural Afluente (ENA)

Energia Armazenada

Geração Mensal de Energia

Indicadores Econômicos

Destaques do Mês

  • Carga diminui 0,7% em agosto

A carga de energia do Sistema Interligado Nacional (SIN), em agosto de 2019, apresentou variação negativa de 0,7% em relação ao mesmo mês do ano anterior e acréscimo de 1,5% na comparação com julho, de acordo com o Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS). No acumulado dos últimos 12 meses, a carga verificada mostrou aumento de 1,8%.

Apesar das temperaturas mais altas, principalmente nos submercados Sudeste/Centro-Oeste e Sul, o desempenho no mês é atribuído ao baixo dinamismo da atividade econômica e ao menor número de dias úteis em relação ao mesmo período do ano anterior. Além disso, o submercado Nordeste teve retração de 3,5% em relação ao ano anterior, em virtude da ocorrência de chuvas e da redução temporária de dois consumidores livres conectados à rede básica. Já a variação positiva de 4,7% do submercado Norte foi impulsionada principalmente pela retomada gradual da carga de um consumidor do setor de metalurgia, que vinha mantendo-se reduzida desde abril de 2018.

  • CCEE terá agenda de encontros com agentes para debater preço horário

Devido ao cronograma de implantação do Preço de Liquidação das Diferenças (PLD) horário, previsto para janeiro de 2021, a Câmara de Comercialização de Energia (CCEE) realizou um encontro no mês de setembro para auxiliar os agentes no entendimento dos impactos desta alteração. Dentre os assuntos abordados, foram destacadas as iniciativas da CCEE e dos órgãos responsáveis no desenvolvimento de metodologias para o cálculo do preço, também foram apresentadas as análises do comportamento do PLD horário durante os meses de operação sombra e foram discutidas formas de mitigar a sua volatilidade.

A ideia é que este fórum possua uma regularidade até a entrada em vigor do modelo DESSEM em âmbito comercial, provavelmente a cada 30 a 45 dias, sendo que a agenda oficial será definida em breve.

  • Eólica registra novos recordes de geração

No submercado Nordeste, a geração eólica atingiu novo recorde de geração instantânea diária no dia 23 de setembro, produzindo, no pico, 9.749 MW às 22:57, com fator de capacidade de 83%. O volume de energia chegou a responder pelo atendimento de 89% da carga da região, no dia. O recorde regional anterior havia ocorrido em 05 de agosto, quando foram gerados 9.632 MW.

Como a maior parcela da geração eólica está no Nordeste, também foi registrado novo recorde no SIN, com pico de geração de 11.257 MW no mesmo dia e horário.

De acordo com o ONS, os novos patamares são decorrentes das condições climáticas como a intensificação do sistema de alta pressão sobre a região sul e sudeste do Estado da Bahia, proporcionando a geração eólica mais elevada.

  • Tarifas de energia reduzem por quitação da conta-ACR

No dia 16 de setembro, a Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE) e a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), quitaram o empréstimo de 21,2 bilhões destinado a auxiliar as distribuidoras de energia após a crise hídrica de 2014.

O pagamento foi realizado sete meses antes do prazo previsto, acarretando uma atenuação média de 3,62% das tarifas de energia em 2019. Já em 2020, haverá redução de aproximadamente 1,2%, desta forma, os consumidores deixarão de realizar desembolsos mensais para a conta-ACR entre outubro de 2019 e abril de 2020. Esta conta é um fundo de reserva administrado pela CCEE, destinado ao pagamento das 13 instituições bancárias que financiaram o empréstimo às distribuidoras, o qual tinha como objetivo manter a sustentabilidade do mercado de energia devido ao período de diminuição da afluência de chuvas no país, que impactou, consequentemente, a geração de energia das usinas hidrelétricas.

Dentre as distribuidoras de energia que apresentaram reajuste negativo em 2019 estão a Celesc, com uma redução de 7,8%, Elektro (-8,32% em média) e a EDP-ES (-4,84%).

PLD (Preço no Mercado de Curto Prazo)

Da terceira para a quarta semana de setembro observou-se um aumento no PLD para todos os subsistemas do SIN, principalmente devido às vazões e níveis de armazenamento dos reservatórios estarem abaixo do esperado.

Fonte: CCEE

O PLD valora a energia comercializada no mercado de curto prazo, sendo determinado semanalmente para cada patamar de carga e submercado, baseado no Custo Marginal da Operação (CMO), limitado aos valores máximos e mínimos definidos pela Aneel.

No gráfico abaixo, são apresentadas as séries históricas do PLD e do CMO nos últimos 18 meses. De forma geral, observa-se que as duas séries históricas apresentam o mesmo perfil, exceto para os meses em que o CMO é mais elevado do que o PLD máximo, sendo a diferença convertida em encargos, como o ocorrido nos meses de julho a setembro de 2018. Em setembro, as duas séries seguiram a tendência de alta observada a partir de junho deste ano, fechando o mês com valores de CMO de R$ 261,04/MWh e PLD de R$ 234,74/MWh no submercado SE/CO.

Fonte: CCEE e ONS

Energia Natural Afluente (ENA)

O custo da operação do sistema brasileiro considera as previsões de vazão mensal ou Energia Natural Afluente (ENA), revisada semanalmente pelo ONS.

As previsões para o período de setembro de 2019 a janeiro de 2020 foram reduzidas, sendo este decréscimo mais acentuado nos meses de agosto e setembro devido à diminuição na previsão da afluência do submercado SE/CO. De fevereiro de 2020 a maio de 2020 houve um pequeno incremento, porém, a partir de junho de 2020, a previsão da ENA seguiu a tendência de redução.

Fonte: CCEE

Energia Armazenada

Em relação à energia armazenada do SIN, no gráfico abaixo, são apresentados os níveis de armazenamento dos anos de 2018 e 2019 e a previsão de armazenamento da CCEE. Além disso, são apresentados níveis mínimos e máximos de armazenamento e a média histórica do período de 2000 a 2018.

A previsão da CCEE para a energia armazenada no ano de 2019, representada pela linha vermelha, mostra-se acima dos valores concretizados no ano anterior (linha azul). Ao longo do ano, espera-se que os níveis dos reservatórios se aproximem dos valores históricos médios (linha verde). Atualmente, os níveis de armazenamento estão em 42,9%, de acordo com os dados disponibilizados pelo ONS.

Fonte: InfoPLD da CCEE

Geração Mensal de Energia

As principais fontes de energia, no Brasil, são hidrelétricas, seguida pelas termelétricas e eólicas. No gráfico abaixo, estão apresentados os volumes de energia gerados em agosto de 2019 em comparação com o mesmo período do ano passado.

Observa-se que as gerações hidráulica e térmica tiveram uma redução de 3,9% e 3,8% respectivamente, sendo que as fontes Eólica e Fotovoltaica apresentaram elevação de 20,5% e 66,4% respectivamente. A redução na geração termelétrica foi especificamente devido a expressiva diminuição na geração a partir de usinas termelétricas a óleo, sendo observado um aumento na geração de térmicas a gás e biomassa.

Fonte: Infomercado CCEE

Indicadores Econômicos

Nos gráficos abaixo, observam-se as expectativas dos indicadores econômicos IPCA, IGP-M, Crescimento do PIB e Produção Industrial para o final de 2019 e 2020, de acordo com os dados divulgados pelo Banco Central.

Para 2019, a expectativa da mediana do IPCA passou de 3,65% para 3,42%, entre a última semana de agosto e a última semana de setembro. Para o final do ano de 2020, a expectativa caiu de 3,85% para 3,80%.

Após um período de elevação, a expectativa da mediana do IGP-M apresentou queda, chegando a 5,09% para o ano de 2019. Para 2020, a expectativa é de 4,06%.

A expectativa de crescimento do PIB em 2019 apresentou uma pequena elevação entre setembro e agosto, fechando em 0,87%. Já para 2020, a mediana esperada é de 2,00%.

A expectativa de Produção Industrial, para final de 2019, apresenta maior redução, passando de 0,08% para -0,53%, entre a última semana de agosto e a última semana de setembro. Para 2020, a expectativa caiu de 2,50% para 2,29%.

Fonte: Boletim Focus do Banco Central do Brasil

As análises aqui apresentadas têm a finalidade única de informação e não devem ser tomadas como uma recomendação, oferta, aconselhamento ou solicitação de compra ou venda de energia. A ENGIE não se responsabiliza pela utilização destas informações, nem tampouco pela sua exatidão, precisão ou completude. A decisão de compra ou venda de energia é de sua exclusiva responsabilidade e não deverá se basear no conteúdo deste Boletim InfoEnergia.

Gostou? Compartilhe!
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on LinkedIn

Be the first to write a comment.

Escreva um comentário