setor elétrico

#24 InfoEnergia: Aneel aprova novas medidas para preservar setor elétrico dos efeitos da pandemia

Essa foi mais uma medida tomada pela agência reguladora para preservar o setor elétrico dos efeitos da pandemia.

Com o objetivo de aliviar os custos de consumidores cativos e livres durante os meses de abril, maio e junho, a diretoria da Agência Nacional de Energia Elétrica – Aneel autorizou o uso de R$ 432,4 milhões, referentes às sobras de encargos de transmissão de nergia elétrica.

Confira essa e outras informações sobre o Mercado Livre de Energia no boletim!

SUMÁRIO

Destaques do Mês

PLD (Preço no Mercado de Curto Prazo)

Energia Natural Afluente (ENA)

Energia Armazenada

Geração Mensal de Energia

Indicadores Econômicos

Destaques do Mês

  • Brasil alcança marca de duas mil usinas de geração de energia em funcionamento

De acordo com dados do InfoMercado Mensal de fevereiro da Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE), o Brasil ultrapassou a marca de duas mil usinas de geração de energia elétrica em funcionamento. Entre fevereiro de 2019 e fevereiro deste ano, 111 novas geradoras entraram em operação ou fase de testes no Sistema Interligado Nacional (SIN), alcançando um total de 2.005 empreendimentos.

A fonte com maior quantidade de usinas registradas continua sendo a hidráulica, com a presença de 875 Usinas Hidrelétricas (UHE), Centrais Geradoras Hidrelétricas (CGH) e Pequenas Centrais Hidrelétricas (PCH) no País. Em segundo lugar, as Eólicas contam com 615 parques disponíveis, sobretudo nas regiões Nordeste e Sul. O SIN tem ainda 114 Usinas Solares Fotovoltaicas e 401 Termelétricas, que é composta, em sua maioria, pelas Usinas a Biomassa.

  • Mercado livre tem 7,4 mil consumidores habilitados ao final do primeiro trimestre

A CCEE encerrou o primeiro trimestre de 2020 com 7.453 consumidores habilitados para negociar no Mercado Livre. O volume é 23% maior do que o contabilizado em março de 2019, quando o segmento somava 6.067 consumidores, e representa uma alta de 5,61% na comparação com os 7.057 associados de dezembro de 2019. Os dados já descontam os agentes desligados no período.

Entre janeiro e março, 443 consumidores migraram para o Ambiente de Contratação Livre (ACL), sendo 412 consumidores especiais e 31 consumidores livres. O volume de migrações vem em linha com o verificado nos últimos meses, muito motivado pela entrada de consumidores especiais, com carga entre 0,5 MW e 2 MW. Só em março, 159 agentes se associaram à CCEE, sendo 135 consumidores especiais e 11 livres, além de quatro novas comercializadoras, oito usinas classificadas como produtoras independentes de energia e um novo gerador.

Do total de consumidores, 115 possuem carga de até 1 MW. Outros 20 possuem carga entre 1 MW e 1,99 MW e 11 adesões têm carga superior a 2 MW. Considerando o percentual de migração por submercado, o Sudeste/Centro-Oeste reuniu a maioria das adesões: 71% dos agentes estão localizados no subsistema.

Ao final do trimestre, a CCEE contava com um número total de 9.443 agentes associados, 4,81% a mais do que o verificado em dezembro de 2019. Além dos consumidores, são agentes os geradores, autoprodutores, distribuidoras e comercializadoras. Estão em andamento outros 929 processos de adesão, sendo 734 de novos consumidores especiais.

  • Aneel autoriza uso de R$ 432 milhões para preservar a liquidez do setor elétrico

A diretoria da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) autorizou o uso de R$ 432,4 milhões (referentes às sobras de encargos de transmissão de energia elétrica) com objetivo de aliviar os custos de consumidores cativos e livres durante os meses de abril, maio e junho. Esta é mais uma das medidas da agência reguladora para preservar o Setor Elétrico Brasileiro dos efeitos da pandemia do COVID-19.

O efeito imediato da Parcela de Ajuste é de R$ 144 milhões de descontos nos encargos de uso do sistema de transmissão pagos pelas distribuidoras (90%) e consumidores livres (10%), com descontos semelhantes nos meses de maio e junho. Já o adiamento da cobrança da Parcela de Ineficiência de Sobrecontratação ajudaria o setor com a economia de R$ 11 milhões.

  • Reservatórios do Submercado Nordeste elevam 0,3% e iniciam semana acima de 87%

Os reservatórios do Nordeste iniciaram a semana com capacidade de 87,1%, após registrar aumento de 0,3% em relação ao dia 19 de abril, segundo o boletim diário do Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS). A energia afluente aparece com 118% da média de longo prazo e a armazenada aponta para 44.937 MW mês.

No Submercado Sul, a vazão teve leve crescimento de 0,1%, fazendo o volume útil subir para 16,8%. A energia afluente encontra-se em 11% da Média de Longo Termo (MLT), enquanto a armazenada indica 3.342 MW. O submercado Norte contou com aumento de 0,2% nos níveis, atingindo 77,9%. A energia contida afere 11.810 MW e a armazenável foi para 67% da MLT.

O submercado Sudeste/Centro-Oeste também teve variação positiva de 0,2% na sua capacidade de armazenamento, chegando a 54%. A energia contida no subsistema indica 109.523 MW mês e a afluente admite 82% da MLT.

PLD (Preço no Mercado de Curto Prazo)

O PLD se manteve no valor piso, de R$39,68/MWh durante as 4 semanas do mês de abril.

Preço do Mercado de Curto Prazo

 Fonte: CCEE

O PLD valora a energia comercializada no mercado de curto prazo, sendo determinado semanalmente para cada patamar de carga e submercado, baseado no Custo Marginal da Operação (CMO), limitado aos valores máximos e mínimos definidos pela Aneel.

No gráfico abaixo são apresentadas as séries históricas do PLD e do CMO nos últimos 18 meses. De forma geral, observa-se que as duas séries históricas apresentam o mesmo perfil, exceto para os meses em que o CMO é mais elevado do que o PLD máximo, sendo a diferença convertida em encargos. Em abril deste ano, o CMO de todos os submercados tiveram o valor de R$0,00/MWh, o PLD foi o valor piso de R$ 39,68/MWh.

Séries históricas do PLD e do CMO

Fonte: CCEE e ONS

Energia Natural Afluente (ENA)

O custo da operação do sistema brasileiro leva em conta as previsões de vazão mensal ou Energia Natural Afluente (ENA), revisada semanalmente pelo ONS.

A previsão de ENA realizada no mês de abril se mantém com comportamento similar a previsão realizada no mês anterior.

Previsão de Energia Natural Afluente no mês de abril

Fonte: CCEE

Energia Armazenada

Em relação à energia armazenada do SIN, no gráfico abaixo são apresentados os níveis de armazenamento dos anos de 2019 e 2020 e a previsão de armazenamento da CCEE. Além disso, são apresentados níveis mínimos e máximos de armazenamento e a média histórica do período de 2000 a 2019.

A previsão da CCEE para a energia armazenada no ano de 2020, representada pela linha vermelha, mostra-se acima dos valores concretizados no ano anterior (linha azul) durante todos os meses do ano, chegando a superar a média histórica nos meses de maio a outubro. Atualmente, os níveis de armazenamento do submercado Sudeste/Centro-Oeste estão em 54,46% de acordo com os dados disponibilizados pelo ONS.

Energia Armazenada no ano de 2020

Fonte: InfoPLD da CCEE

Geração Mensal de Energia

As principais fontes de energia no Brasil são hidrelétricas, seguida pelas termelétricas e eólicas. No gráfico abaixo estão apresentados os volumes de energia gerados no mês de março de 2020 em comparação com o mesmo período do ano passado.

Observa-se que a geração hidráulica apresentou crescimento de 2,4% em relação ao mesmo período do ano anterior, já a geração térmica teve queda de 16,7%. A fonte Eólica apresentou redução de -13,9% e a Fotovoltaica um aumento de 29,2%.

Volume de geração de energia mensal

Fonte: Infomercado CCEE

Indicadores Econômicos

Nos gráficos abaixo observam-se as expectativas dos indicadores econômicos IPCA, IGP-M, Crescimento do PIB e Produção Industrial para 2020 e 2021, de acordo com os dados divulgados pelo Banco Central.

Para 2020, a expectativa da mediana do IPCA caiu de 3,04% para 2,23% entre a última semana de março de 2020 e a última semana de abril de 2020. Para o ano de 2021, a expectativa é de 3,40%

Para abril de 2020, a expectativa da mediana do IGP-M é de 4,86%, para 2021 a expectativa é 4,00%.

A expectativa de crescimento do PIB apresentou queda em 2020, passando dos 1,48% de março para -2,96% na quarta semana de abril. Para 2021 subiu para 3,40%

A expectativa de Produção Industrial para o ano vigente também apresentou redução, fechando em -2,25%, já para 2021 a expectativa foi para 2,90%.

Expectativas dos Indicadores Economicos

 Fonte: Boletim Focus do Banco Central do Brasil

As análises aqui apresentadas têm a finalidade única de informação e não devem ser tomadas como uma recomendação, oferta, aconselhamento ou solicitação de compra, ou venda de energia. A ENGIE não se responsabiliza pela utilização destas informações, nem tampouco pela sua exatidão, precisão ou completude. A decisão de compra ou venda de energia é de sua exclusiva responsabilidade e não deverá se basear no conteúdo deste Boletim.

Gostou? Compartilhe!
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on LinkedIn

Be the first to write a comment.

Escreva um comentário