#21 ENGIE NEWS: Brasil alcança 170 mil MW de capacidade energética instalada

Segundo dados da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), o Brasil fechou o ano de 2019 com aumento de 7.246,41 MW de capacidade energética instalada. Em um somatório geral, o país alcançou a marca de 170.071 MW de potência instalada, sendo mais de 75% proveniente de fontes renováveis.

Segundo dados da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), o Brasil fechou o ano de 2019 com aumento de 7.246,41 MW de capacidade energética instalada. Em um somatório geral, o país alcançou a marca de 170.071 MW de potência instalada, sendo mais de 75% proveniente de fontes renováveis.

Confira essa e outras notícias que movimentaram o Mercado Livre no mês de janeiro de 2020.

SUMÁRIO

Destaques do Mês

PLD (Preço no Mercado de Curto Prazo)

Energia Natural Afluente (ENA)

Energia Armazenada

Geração Mensal de Energia

Indicadores Econômicos

Destaques do Mês

CCEE lança ferramenta para aprimorar segurança de mercado

A Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE) lançou na quinta feira, 23 de janeiro, os “Indicadores de Segurança do Mercado”, ferramenta que auxilia os agentes na análise das operações no mercado em um formato executivo, simples e dinâmico. Foram disponibilizados no site novos indicadores que permitem a avaliação do comportamento dos agentes nas operações do mercado de energia, trazendo variáveis importantes para a análise das contrapartes, de forma a aprimorar o mercado e ampliar a segurança nas negociações através de maior simetria de informação.

A ferramenta traz informações sobre o Mercado de Curto Prazo (MCP); Balanço Energético; Recurso e Requisito do agente no MCP; Comparativos do Resultado do MCP X Balanço Energético; Recurso X Requisito; Cessão X Consumo; Consumo por submercado; Etc. Todas estas informações, antes disponibilizadas através de planilhas e boletins informativos, estará disponível em um dashboard desenvolvido na plataforma Tableau.

Brasil alcança 170 mil MW de capacidade instalada em 2019

Segundo a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), o Brasil fechou o ano de 2019 com 7.246,41 MW de capacidade instalada, ultrapassando a meta de 5.781 MW. Ao todo, o país chegou a 170.071 MW de potência instalada, sendo mais de 75% proveniente de fontes renováveis.

A maior parte da energia gerada do país continua vindo de fontes hídricas, com um total de 4.839 MW inaugurados e/ou concluídos no ano passado. A ampliação da geração eólica também é expressiva, com incremento de 971 MW, superando os 776 MW acrescidos em usinas termelétricas. Usinas solares também apresentaram crescimento, agregando 551 MW à matriz brasileira.

Considerando o avanço verificado no ano, os 3.870 empreendimentos de energia solar em operação já são responsáveis por 1,46% da potência fiscalizada no país, sendo os 629 de energia eólica, por 9,04%.

Regras de Comercialização 2020 são aprovadas pela Aneel

Foi aprovada pela Aneel no dia 28 de janeiro, a versão 2020 das Regras de Comercialização de Energia Elétrica. Ela trata, entre outros assuntos, de adequações para a aplicação do modelo de despacho de curtíssimo prazo (Dessem) na programação de operação do sistema elétrico, a partir de janeiro desse ano, além de aperfeiçoamentos no Mecanismo de Venda de Excedentes (MVE) pelas distribuidoras.

Além disso, a versão atual consolida a regulamentação das Regras de Comercialização, através de alterações e revogações de normas editadas desde 2011. Entre os temas tratados nas diferentes fases de discussão pública promovidas pela agência reguladora estão a compatibilização das regras com a definição do Preço de Liquidação das Diferenças Horário (que será aplicado a partir de 2021), a operacionalização de leilões com início de suprimento em 2020 e aperfeiçoamentos no cálculo do consumo líquido de autoprodutores. Este último tema será tratado futuramente, em nova consulta pública.

PLD (Preço no Mercado de Curto Prazo)

Da terceira para a quarta semana de janeiro observou-se uma pequena redução no PLD para todos os subsistemas do SIN.

 Fonte: CCEE

O PLD valora a energia comercializada no mercado de curto prazo, sendo determinado semanalmente para cada patamar de carga e submercado, baseado no Custo Marginal da Operação (CMO), limitado aos valores máximos e mínimos definidos pela Aneel.

No gráfico abaixo são apresentadas as séries históricas do PLD e do CMO nos últimos 18 meses. De forma geral, observa-se que as duas séries históricas apresentam o mesmo perfil, exceto para os meses em que o CMO é mais elevado do que o PLD máximo, sendo a diferença convertida em encargos, como o ocorrido nos meses de julho a setembro de 2018. As duas séries fecharam o mês de janeiro de 2020 com valores de CMO de R$ 318,05/MWh e PLD de R$ 335,88/MWh para todos os submercados.

Fonte: CCEE e ONS

Energia Natural Afluente (ENA)

O custo da operação do sistema brasileiro leva em conta as previsões de vazão mensal ou Energia Natural Afluente (ENA), revisada semanalmente pelo ONS.

A previsão de ENA realizada no mês de dezembro se mantém com comportamento similar a previsão realizada no mês anterior, porém a expectativa se mostra inferior em todos os meses, conforme gráfico apresentado.

Fonte: CCEE

Energia Armazenada

Em relação à energia armazenada do SIN, no gráfico abaixo são apresentados os níveis de armazenamento do ano de 2019 e a previsão de armazenamento da CCEE para 2020. Além disso, são apresentados níveis mínimos e máximos de armazenamento e a média histórica do período de 2000 a 2019.

A previsão da CCEE para a energia armazenada no ano de 2020, representada pela linha vermelha, mostra-se abaixo dos valores concretizados no ano anterior (linha azul) para o primeiro trimestre, tornando-se mais otimista ao decorrer do ano, chegando a superar a média histórica nos meses de junho a outubro. Atualmente, os níveis de armazenamento estão em 30,95% de acordo com os dados disponibilizados pelo ONS.

Fonte: InfoPLD da CCEE

Geração Mensal de Energia

As principais fontes de energia no Brasil são hidrelétricas, seguida pelas termelétricas e eólicas. No gráfico abaixo estão apresentados os volumes de energia gerados em outubro de 2019 em comparação com o mesmo período do ano passado.

Observa-se que a geração hidráulica apresentou queda de 11,9% em relação ao mesmo período do ano anterior, já a geração térmica teve um crescimento de 71,1%. As fontes Eólica e Fotovoltaica apresentaram elevação de 37,9% e 47,5% respectivamente.

Fonte: Infomercado CCEE

Indicadores Econômicos

Nos gráficos abaixo observam-se as expectativas dos indicadores econômicos IPCA, IGP-M, Crescimento do PIB e Produção Industrial para 2020 e 2021, de acordo com os dados divulgados pelo Banco Central.

Para 2020, a expectativa da mediana do IPCA passou de 3,86% para 3,47% entre a última semana de dezembro de 2019 e a última semana de janeiro de 2020. Para o ano de 2021, a expectativa é de 3,75%

Após um período de elevação, a expectativa da mediana do IGP-M apresentou queda, chegando a 5,09%, porém a partir de outubro de 2019 voltou a crescer, chegando no mês de dezembro em 6,03%. Em 2020 mostra-se em 4,12%.

A expectativa de crescimento do PIB se manteve em elevação, fechando em 2,25% no mês de dezembro de 2019. Já para 2020 a expectativa é de 2,5%

A expectativa de Produção Industrial para 2020 chegou a 2,1%, já para 2021 a expectativa é de 2,5%.

 Fonte: Boletim Focus do Banco Central do Brasil


As análises aqui apresentadas têm a finalidade única de informação e não devem ser tomadas como uma recomendação, oferta, aconselhamento ou solicitação de compra, ou venda de energia. A ENGIE não se responsabiliza pela utilização destas informações, nem tampouco pela sua exatidão, precisão ou completude. A decisão de compra ou venda de energia é de sua exclusiva responsabilidade e não deverá se basear no conteúdo deste Boletim InfoEnergia.

Gostou? Compartilhe!
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on LinkedIn

Be the first to write a comment.

Escreva um comentário