ao-vivo-engie-descarbomnizacao

Hora de tirar as dúvidas sobre descarbonização enviadas no AO VIVO ENGIE

No dia 29 de novembro de 2019, tivemos a oportunidade de conversar com o público sobre a relação entre Transição Energética e Descarbonização em mais uma edição do AO VIVO ENGIE, no YouTube.

Durante a transmissão, a analista de inteligência de mercado da ENGIE, Lívia Godoy, e o especialista em descarbonização, David Costa, falaram sobre mudanças no clima, na tecnologia e no comportamento empresarial, o que leva ao investimento em fontes renováveis de energia.

Mais que isso, muitas empresas vão além e buscam uma certificação que garante a origem sustentável da eletricidade utilizada nas operações. Assim, organizações podem cumprir metas internas de sustentabilidade e se tornar multiplicadoras da transição energética, estimulando stakeholders, sociedades e governos a adotar medidas para descarbonizar processos e reduzir seu impacto ambiental.

Certificando a origem da energia adquirida no Mercado Livre de Energia

Durante o AO VIVO ENGIE, nossos especialistas lembraram a relação estreita entre transição energética e descarbonização: optar por fontes renováveis de energia é um dos caminhos para reduzir as emissões de CO2.

A demanda por um meio de certificar essa escolha ocorreu por parte dos próprios clientes e, para atendê-los, fomos em busca de um conjunto de soluções. Assim, desenvolvemos e aprimoramos os I-RECs, o ENGIE-REC e os créditos de carbono.

Os I-RECs são certificados que comprovam a origem renovável da energia, podendo ser utilizados para neutralizar as emissões de Escopo 2 do Inventário de Emissões de Gases de Efeito Estufa do GHG Protocol. Nessa modalidade, os certificados adquiridos são desvinculados do contrato de energia da empresa.

O ENGIE-REC é um contrato bilateral para o fornecimento de energia comprovadamente renovável, que ajuda os clientes a zerar as emissões de CO2 do Escopo 2. Com ele, a empresa pode identificar a usina renovável onde está sendo gerada a energia utilizada. Assim, o contrato tem cláusulas que indicam e rastreiam a fonte da energia, e o cliente pode acessar relatórios que comprovam a geração energética renovável.

Os créditos de carbono podem ser utilizados para compensar emissões de Escopo 1, 2 e 3. Na prática, a cada crédito de carbono adquirido, a empresa certifica que uma tonelada de CO2 deixou de ser emitida através da geração renovável de energia da ENGIE.

Solucionando as dúvidas do AO VIVO ENGIE

Durante o AO VIVO ENGIE – Transição energética e os caminhos para a descarbonização, recebemos algumas dúvidas que, por conta de tempo, não puderam ser respondidas na transmissão. Por isso, vamos respondê-las a seguir, conforme prometido. Confira!

1- Vocês já têm algum estudo que fala sobre as oportunidades comerciais junto a essas soluções?

Desenvolvemos um amplo estudo para oferecer soluções completas de baixo carbono para as empresas brasileiras: I-REC, ENGIE-REC e os créditos de carbono. Nosso objetivo é contribuir para o cumprimento dos 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável das Nações Unidas. Para saber mais sobre as oportunidades comerciais, clique aqui.

2- De que forma podemos avaliar o nível de conscientização da população sobre a importância da preservação do meio ambiente?

Um levantamento recente da consultoria Nielsen mostra que 73% dos entrevistados gastaria mais com marcas que se preocupam com o meio ambiente e 42% afirmaram estar mudando seus hábitos de consumo para contribuir com a redução dos impactos ambientais. Na ENGIE, buscamos contribuir com investimentos em Pesquisa & Desenvolvimento, além da oferta de soluções em energia renovável, que têm o objetivo de conscientizar o mercado sobre a necessidade de concretizarmos uma economia de baixo carbono.

3- Como podemos contribuir com a descarbonização no nosso dia a dia?

No dia a dia, reduzir o consumo de energia elétrica é um bom começo. Assim, trocar lâmpadas incandescentes e fluorescentes por lâmpadas com tecnologia LED, bem como substituir equipamentos eletrônicos antigos por versões mais modernas e eficientes, também podem contribuir. Para empresas, o investimento em soluções de baixo carbono é o mais recomendado. Para saber mais sobre soluções de descarbonização da ENGIE, clique aqui.

4- Como contabilizar emissões de carbono para operações que contam com energia incentivada?

Caso não haja vínculo com uma usina específica, a contabilização das emissões de empresas que adquirem energia incentivada ocorre pela utilização do fator médio de emissão do mix residual da rede, que pode ser acessada no site do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC), acesse aqui.

 

Gostou? Compartilhe!
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on LinkedIn

Be the first to write a comment.

Escreva um comentário